Cinco Ferramentas Básicas e Essenciais para Utilizar na Administração

Por ricardo em Administração EAD, EaD, Notícias maio de 31 de 2017 - 14:44

Afetadas pela globalização e pelo uso intenso de novas tecnologias em todas as áreas organizacionais, as empresas encontram-se em um ambiente de grande mobilidade, incertezas e de intensa competitividade, buscando estratégias e processos inovadores para se sobressair no mercado.

Para garantir a sobrevivência das organizações, é necessário preparar e atualizar equipes para administrar e operar recursos com eficiência assegurando atingir as expectativas dos clientes. Além de metas e objetivos desafiadores, deve-se enaltecer o conhecimento e a inovação, que fazem que as equipes estejam sempre voltadas para o comprometimento com resultados. Assim, os administradores se mostram recursos humanos fundamentais para as organizações, e a sua importância justifica e fundamenta o desenvolvimento do estudo da administração.

Pensando nisso, a Unichristus oferece o Curso de Administração por meio do sistema de Educação a Distância (EaD) – em que o aluno investe em uma educação superior de qualidade com uma estrutura inovadora e atualizada sem precisar sair de sua rotina.  Trata-se de uma educação democrática e acessível para as mais diversas necessidades, como para quem precisa estudar com maior flexibilidade ou para quem está em uma segunda graduação e já está no mercado de trabalho.

A formação Unichristus habilita o aluno a gerir qualquer tipo de organização por meio da utilização de ferramentas de gestão que sustentam a permanência das mais diversas empresas no mercado atual. Confira abaixo 5 ferramentas básicas e essenciais para utilizar:

1.      Análise SWOT

Considerada uma ferramenta clássica da administração, a análise SWOT foi desenvolvida na década de 1960 por professores da Universidade de Stanford, a partir da análise das 500 maiores organizações dos Estados Unidos. Como outras ferramentas clássicas na administração, a análise SWOT inicialmente foi pensada para grandes empresas e, depois, passou a ser utilizada também em empresas de menor porte.

Como uma ferramenta de planejamento estratégico, a análise SWOT – Strengths, Weaknesses, Opportunities and Threats –  que em sua tradução significa Forças, Fraquezas, Oportunidades e Ameaças, é uma técnica utilizada para gestão e planejamento das empresas por meio de uma análise dos pontos fortes e fracos do cenário interno e externo. Isso proporciona aos gestores e às suas equipes maior clareza ao determinar as prioridades em termos de ameaças e oportunidades existentes no mercado, e dá respaldo à tomada de decisão.

Perceber o que caracteriza o cenário interno e externo do sistema de uma empresa torna-se fundamental para as ações dos gestores. Em tempos de grande concorrência e instabilidade, o empreendedor não pode deixar de realizar a avaliação do comportamento das empresas diante do mercado e de utilizar ferramentas para desenvolver um plano de ação para redução de riscos e aumento das chances de sucesso da empresa.

2.      CRM

O CRM – Customer Relationship Management (Gestão de Relacionamento com o Cliente) – é uma ferramenta que engloba estratégias, práticas e tecnologias que coloca o cliente como foco principal dos processos da organização. Empresas de todos os portes podem utilizar essa ferramenta para analisar as interações com os clientes e, a partir disso, antecipar suas necessidades e seus desejos para atendê-los melhor.  Isso garante otimização da rentabilidade da empresa, aumento das vendas e assertividade na captação de novos clientes.

Com o CRM, as informações de clientes atuais e potenciais são armazenadas junto às suas atividades com a empresa. No entanto, não se trata apenas de ter uma lista de contatos, mas de reunir e integrar dados valiosos para preparar e atualizar suas equipes com informações que ajudam a acelerar e simplificar o processo de vendas.

3.      Business Model Canvas

A ferramenta Business Model Canvas (BMC), mais conhecida como Quadro de Modelo de Negócios, foi criada por Alex Osterwalder e Yves Pigneur com o objetivo de planejar e visualizar as principais funções de uma empresa e suas relações.

É uma ferramenta indicada para organizações dos mais variados portes por haver diversos modelos diferentes de BMC. Todos eles, no entanto, contam com espaço garantido para análise de fatores essenciais para o sucesso de uma empresa, como definição de produto, modelos de monetização e definição do público-alvo.

Por tratar-se de uma técnica que fornece uma visão global e flexível do modelo de negócios, o BMC auxilia os gestores nos processos de criação, inovação e diferenciação de suas empresas, aprimorando seu modelo de negócios para conquistar mais clientes e potencializar o lucro.

É fundamental salientar que o Modelo de Negócios não é sinônimo de Plano de Negócios. O uso do Modelo possibilita uma elaboração mais estruturada de um Plano e com maior potencial de êxito. Com auxílio do BMC, o gestor constrói seu Modelo de Negócios com a valorização de conceitos importantes para o sucesso no mercado, como visão sistêmica, pensamento visual, simplicidade e aplicabilidade.

4.      Matriz BCG

A matriz Boston Consulting Group é uma ferramenta de seleção de estratégias desenvolvida em 1970 por Bruce Henderson. Trata-se de um modelo para análise de portfólio de produtos ou de unidades de negócio baseado no conceito de ciclo de vida do produto. Esse modelo permite classificar os produtos de uma organização tendo como base sua participação no mercado em relação à concorrência e às expectativas de crescimento desse mercado, sendo muito eficaz para montar planos estratégicos, gerir, marcar e até mesmo desenvolver estratégias de vendas.

A matriz BCG é bastante utilizada para administrar recursos em atividades de gestão de produtos e marcas. Trata-se de uma das ferramentas mais comuns para verificar o posicionamento de produtos e unidades de negócios quanto as suas variações externas e internas.

Essa ferramenta tem como ideia central relacionar os vários negócios de uma empresa, de acordo com sua participação no mercado. Dessa forma, é possível identificar os negócios ou as linhas de negócios que servem como geradores de caixa para a empresa e os negócios que não produzem lucro, e, portanto, devem ser desativados ou remodelados.

5.      Benchmarking

Trata-se de uma ferramenta de gestão amplamente difundida entre as organizações de todo o mundo. Benchmarking vem da palavra benchmark que significa “referência”. Portanto, fazer um benchmarking é buscar as melhores práticas e referências realizadas pelas organizações do seu mercado.

O princípio base dessa ferramenta consiste em estabelecer uma base de autoaprimoramento que consiste em procurar, encontrar e superar os pontos fortes dos concorrentes, ou seja, as melhores referências são adaptadas e, se possível, incorporadas de forma otimizada.

O benchmarking torna-se fundamental para qualquer empresa que quer obter sucesso no mercado. Ao avaliar a concorrência e suas práticas, a empresa estará aprimorando seus processos e suas práticas.

5 ferramentas básicas e essenciais para utilizar na administracao

Mídias Sociais

Unichristus
Unichristus 2018. Todos os Direitos Reservados.